Fernando Pessoa

03fev07

Fui devolver meus livros na biblioteca. Pra mim, é o melhor lugar do mundo. Depois do cinema e da Garagem Hermética com uma banda tocando por lá.

Queria ler Chico Buarque. Não sei porque encasquetei que queria ler tudo que o cara mais interessante do Brasil escreveu. Seu último livro estava lá, me chamando, pedindo por mim.

Mas sozinho num canto, silencioso como o autor, estava O Livro do Desassossego, de Fernando Pessoa. Passei a mão pelas suas mais de 500 páginas e larguei o Benjamim do Chico sobre a mesa (embora tenha levado este também). Pessoa sempre me encantou. Muito. O melhor poeta, o que me faz chorar assim como Quintana. O homem descrente daquela sociedade pós-moderna que emergia para sua geração. A sociedade do Relativismo e do significado relativo do Relativismo.

“Pasmo sempre quando acabo qualquer coisa. Pasmo e desolo-me. O meu instinto de perfeição deverias inibir-me de acabar;deveria inibir-me até de dar começo. Mas distraio-me e faço. O que consigo é um produto, em mim, não de uma aplicação de vontade, mas de uma cedência dela. Começo porque não tenho força para pensar;acabo porque não tenho alma para suspender. Este livro é a minha cobardia.”

E explica os mistérios dos gênios sem números, os gênios das palavras:

“A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida.”

Dos gênios que viveram à parte da realidade e aproveitaram a vida pela imaginação e sonhos:

“Se vos sonhais sonhar, o sonho que sonhais é menos real acaso do que o sonho que vos sonheis sonhando.”

E entendemos, afinal, o porque do recluso e da abstinência da vida real, da vida londe do pó, dos livros, do escuro e do quarto dos papéis:

“Tanto me exteriorizei dentro de mim que dentro de mim não existe senão exteriormente. Sou a cena viva onde passam vários atores representando peças.”

Recomendo certamente esse livro. Mesmo não ter sonhado ainda com a metade, já sonhos com as folhas passadas, com as frases que dentro de mim representam uma trilha literária e não sonora feita de silêncios e sufocos, como a obra de Fernando Pessoa. O poeta mais complexo, mais eterno.

Anúncios


No Responses Yet to “Fernando Pessoa”

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: